A busca pela perfeição técnica na fotografia amadora

A fotografia é praticada, de alguma forma, pela maior parte das pessoas. A grande maioria dos que fotografam são pessoas que querem registrar momentos da sua vida descompromissadamente. Um outro grupo é o de profissionais que ganham a vida direta ou indiretamente através da arte fotográfica. Entre esses dois mundos existe o de fotógrafos amadores que levam a fotografia a sério e que buscam, através dela, algum tipo de expressão, de manifestação artística ou de significado ou um hobby mais elaborado.

A fotografia profissional tem suas próprias regras. Há as demandas do mercado, a concorrência, a constante inovação tecnológica e a necessidade constante de atualização, para oferecer trabalhos de alto nível. No entanto, nada disso é aplicável a fotografia amadora. O fotografo amador não tem um cliente que direciona o trabalho; não tem concorrência; pode usar a tecnologia que bem entender. Isso significa, de forma geral, que o amador tem muito mais possibilidades criativas do que o fotógrafo profissional. Ele pode fazer a fotografia que bem entender, na hora que quiser, da forma que quiser.

Holga a painting artist in Montmartre Paris - Vick the Viking
Holga a painting artist in Montmartre Paris - Vick the Viking

Curiosamente, no entanto, muitos amadores optam por emprestar da fotografia profissional algumas regras. Um pouco disso talvez seja por uma própria armadilha do mercado: “fotografe como um profissional”, “tenha uma câmera profissional” são frases utilizadas para vender produtos. Mas é possível também que o amador, frente a tanta liberdade e com falta de modelos, acabe se direcionando a esse tipo de fotografia por ser o único referencial de qualidade que ele conhece.

Uma das expressões mais fortes desse movimento é o fetiche da qualidade técnica. Enquanto para o profissional este é um elemento chave, já que se refere à qualidade do seu trabalho em si, e geralmente significa transformar com precisão a idéia do cliente num produto fotográfico, para o amador ele faz pouco sentido. A perfeição técnica que os profissionais seguem geralmente se refere a imagens limpas, nítidas, com cores equilibradas, contraste e tons harmoniosos, composições bem estruturadas, mensagens simples e objetivas. Não há muito espaço para a falta de clareza ou para uma margem de interpretação do observador. A foto precisa dizer algo, alto e claro. Entretanto, essa é apenas uma maneira de fazer fotografia, e na fotografia profissional ela faz sentido pois é o que o mercado exige. Mas o que, na fotografia amadora, preconiza que as coisas precisam ser dessa maneira? A preocupação excessiva com a perfeição técnica, na fotografia amadora, esbarra em três grandes riscos.

re.think - rougerouge
re.think - rougerouge

Primeiro, parece que preocupar-se demais com os aspectos técnicos da imagem são dificilmente compatibilizados com outros aspectos importantes da fotografia, e provavelmente mais determinantes, como a escolha do assunto, o entendimento da luz, a relação com aquilo que se fotografa. Muitas pessoas se preocupam em fazer apenas uma imagem perfeita tecnicamente e deixam de lado a procura por um assunto interessante. O resultado é uma boa “embalagem” para um conteúdo inexistente. Olhar em volta de si e procurar enxergar o belo e o interessante nas pessoas em volta, na cidade em que se vive, nos lugares que se visita geralmente é um exercício mais produtivo do que se preocupar como conseguir mais nitidez nas fotos.

Em segundo lugar, não é difícil perceber que o mercado de equipamentos fotográficos se aproveita — e muito — dessa obsessão pela imagem perfeita. Portanto, teremos sempre câmeras com mais megapixels, com sistemas que geram cores melhores, lentes mais rápidas, focos mais precisos e coisas do tipo. Tudo para que você consiga um resultado “profissional”. Metade do que é alardeado pelos fabricantes não passa de nomes sofisticados para funções que já existiam nas câmeras. E a outra metade de fato são inovações, mas que não farão diferença nenhuma na qualidade da sua fotografia. Veja o caso dos megapixels, por exemplo: mais megapixels significa imagens com maior resolução, portanto possibilidade de impressão maior. Agora, se você apenas visualiza a imagem na tela ou manda para os amigos na internet, você não precisa de mais de dois megapixels. Se você costuma revelar suas fotos digitais no velho formato 10×15, três megapixels são suficientes. Se você, ocasionalmente gosta de imprimir fotos em tamanhos maiores, como 20×30 ou 30×40, seis megapixels devem bastar. Ou seja, apenas em pouquíssimos casos se precisa de mais do que isso. Ainda assim, os fabricantes aumentam a quantidade de megapixels nas câmeras, sempre se baseando na promessa da foto perfeita.

out of sync - niky-m
out of sync - niky_m

Por último, é preciso lembrar que a fotografia é uma ilusão. É uma imagem feita a partir de um aparelho que transforma os raios de luz refletidos num mundo tridimensional numa figura bidimensional. Estamos tão acostumados a sua presença que a tomamos de imediato como cópia do real, sem perceber a forma como a câmera fotográfica não reproduz, mas interpreta a luminosidade dos sujeitos. E, dentro dessa perspectiva, a perfeição técnica refere-se a produzir uma ilusão mais convincente. Uma foto publicitária, por exemplo, precisa mostrar um determinado produto em um certo contexto, ambos idealizados, mas ainda assim com uma aparência extremamente realista. Mas, mais uma vez, vemos que nada disso é importante na fotografia amadora. O amador se beneficia mais ao entender a fotografia como uma arte com suas limitações e idiossincrasias, mas que ainda assim deixa uma gama infinita de possibilidades, do que ao tentar reproduzir um padrão que não é necessário naquilo que faz.

É importante ressaltar que a perfeição técnica não é condenável por si só. Na verdade, como qualquer outro aspecto técnico, ela pode ou não fazer sentido dependendo da proposta que está por trás dela. A fotografia profissional geralmente tem motivos para buscar esse tipo de excelência. No entanto, a fotografia amadora geralmente não tem um norte claro, e os grupos de amadores acabam por tomar emprestada a racional da fotografia profissional sem entender que não é preciso obedecer certas diretrizes, o que acaba por minar as suas possibilidades criativas. Tendo tudo isso em mente, a perfeição técnica não é incompatível com uma fotografia amadora expressiva e de qualidade. Para isso, no entanto, é preciso que se dê o devido valor aos outros aspectos da arte fotográfica, que não se caia num frenesi consumista e que se entenda a arte fotográfica como um campo com suas possibilidades e limitações, deixando de lado a cópia dos valores da fotografia profissional.

8 comentários sobre “A busca pela perfeição técnica na fotografia amadora

  1. Daniel,

    Que prazer tê-lo por aqui. Obrigado pelo comentário. A fotografia é, antes de mais nada, um modo de ver. Daí, é importante entender como a câmera enxerga, mas é muito mais perceber que o nosso ato de ver é o maio determinante da qualidade da nossa fotografia.

  2. Tenho visto que é um ponto que insistes (e com razão). Mas fica difícil para o amador, principalmente em uma fase mais inicial, conseguir outros referenciais fáceis para se basear que não a qualidade técnica. Mais megapixels, mais faixa dinâmica, mais ‘frames por segundo’, objetivas mais claras (caras) e nítidas, mais velocidade no foco, mais etc parecem facilitar um resultado melhor.

    Uma visão como a tua exige um bom tempo de teoria e prática. Só depois que o amador descobre os ‘truques profissionais’ e começa a ficar entediado é que ele vai procurar um estilo próprio. Acho que só aí o amador terá condições de realmente escolher o equipamento que satisfaça as suas necessidades e não as suas expectativas.

  3. Guaracy,

    Talvez eu até seja meio chato na insistência com esse assunto, não é verdade? O que me compele a escrever é perceber que muitos amadores capazes de produzir fotos de qualidade não explorar todas as possibilidades, ficando amarrados em apenas um determinado padrão, e sem entender ou questioná-lo, como se houvesse apenas uma maneira de fazer fotografia. E acho que essa falta de conhecimento de outras possibilidades se deve, entre outras coisas, a justamente uma avalanche de informações técnicas, frente a uma menor quantidade de outros tipos de questionamento.

    No entanto, há também uma questão cultural e de formação. Falta contato com fotógrafos consagrados, falta ida a museus, galerias, compreensão de outras formas de arte e por aí vai. Como a fotografia tecnicamente perfeita é tudo que o amador médio vê, nas revistas, na televisão e na internet, é natural que ele entenda que esse modelo é único.

    Um abraço e obrigado pelo comentário.

  4. Parabéns pelo artigo! A fotografia é uma das possibilidades no rico universo das artes visuais com suas diferentes técnicas. Nesse universo pouco importa se o trabalho é de um fotógrafo amador ou profissional. O que importa é o artista e sua capacidade de uma “idéia” expressiva visualmente.

  5. Sou fã desse site. E o texto, pra variar, é extremamente válido, Rodrigo.
    Acho que o que mora nas entrelinhas desse artigo é o ato de compreender a fotografia também como uma linguagem. É difícil ter essa noção logo quando entramos nesse mundo – e ainda continua sendo difícil quando achamos que estamos familiarizados com o mesmo, haha. A partir disso, nossa expressão e o modo como manipulamos o aparelho fotográfico se torna mais livre.
    Lembrei muito do livro do Flusser, “Filosofia da Caixa Preta”, no meio do artigo. É engraçado ver como a maior parte dos profissionais, que teoricamente são aqueles que devem ter um domínio completo do dispositivo, são presos ao “programa” de nitidez perfeita e equilibrio visual imposto tanto pelo aparelho quanto por nossa cultura de estética limpa e “certinha”. É de se impressionar como a criatividade mora na fotografia amadora, quantas surpresas não residem aí, né?

  6. Olá, Yuri.

    Obrigado pelo comentário. De fato, o texto tem um pouco do Flusser e também de um artigo recente do Arlindo Machado que cito num post anterior.

    Você fez uma boa leitura: de fato, quanto mais especializado tecnicamente, mais amarrado no programa o fotógrafo amador está, se essa especialização não está associada a formas criativas de utilizar a técnica. O mais irônico é que o amador é justamente aquele que pode criar à vontade, pois não está subordinado a nenhum padrão estético, mas não é raro que este amador avançado seja o que obedece mais fielmente a uma forma de fotografar que só se justifica no campo profissional.

    Abraços.

  7. É uma imagem feita a partir de um aparelho que transforma os raios de luz refletidos num mundo tridimensional numa figura bidimensional.
    Belo artigo, acho que me reinventei!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *