Câmeras e fogões

Na última sexta, eu e minha amiga Paula Porto andávamos pelo centro de São Paulo, na região da Rua Sete de Abril, famosa por reunir diversas lojas de material fotográfico. Estávamos indo até o laboratório do sr. Ogava, na Rua Barão de Itapetininga, para deixar alguns rolos de Tri-X para revelar. Paula tem um blog de culinária bastante conceituado, o …de Salto Alto na Cozinha. As fotos dos pratos que ela apresenta no site são feitas pelo seu marido, Ricardo. Passando pelas lojas cheias de câmeras e lentes nas vitrines, começamos a conversar sobre equipamentos, fotográficos e culinários.

Ela me contou que tinha alguns amigos que também gostavam de fotografia. Ela explicou que o padrão que eles apresentavam era de aquisição de uma grande quantidade de material: lentes, mochilas, acessórios. Fazendo uma analogia com a culinária, ela falou, em tom divertido, sobre pessoas que tinham fogões e equipamentos de cozinha caros e sofisticados, mas que apenas os utilizavam para receitas extremamente simples, para as quais não havia necessidade de tanto. Constatamos que existe, muitas vezes, um fetiche pela manipulação da ferramenta como mais importante do que a criação de fato. Ou seja, há pessoas que gostam de usar a câmera, mais do que de fazer fotos; ou de usar o fogão, mais do que de cozinhar.

Sergey Podatelev
Sergey Podatelev

Enquanto esperávamos o elevador no antigo prédio a poucos metros do Teatro Municipal, perguntei se as pessoas sobre quem ela falou eram felizes fazendo isso. Ela disse que sim, que eles se divertiam muito tanto com suas câmeras como na cozinha. Respondi, então, que achava que não havia mal nenhum nisso e que, na verdade, era isso que importava. No fundo, o que todos queremos é fazer aquilo que nos faz bem, e me parece fora de lugar criticar alguém porque seu prazer está na operação dos equipamentos e não na criação de fotografias — ou pratos.

Chegamos ao laboratório. A sala em que o Ogava nos recebe estava no seu habitual caos, repleta de pacotes amarelos de filmes revelados, fotografias ampliadas, algumas câmeras antigas jogadas em um canto e a antiga TV de tubo sobre um móvel. A janela estreita e longa no fundo da sala, condizente com o alto pé direito, permitia a entrada da luz opaca, típica de um dia chuvoso de outubro. Deixei dois rolos de filme para revelação e pedi que ele ampliasse, em 30×40 cm, o retrato de um casal de amigos que se juntará em breve e que eu havia feito alguns meses antes: será uma espécie de presente de casamento. Conversei com ele sobre como fazer o corte para acertar o quadro na proporção do papel e fomos embora.

We Make Noise !
We Make Noise !

Embora eu já tenha sido muito crítico em relação a questão da supervalorização do equipamento — e provavelmente alguns dos textos mais antigos do Câmara Obscura refletem isso — hoje não me sinto à vontade para criticar a forma como as pessoas escolhem usar o seu tempo. Há uma espécie de paradigma, entre fotógrafos amadores-avançados e profissionais, que diz que as pessoas não podem simplesmente usar uma câmera e fotografar os momentos relevantes da sua vida. De acordo com essa concepção, elas têm que estudar fotografia, têm que saber como usar a câmera, têm que fazer cursos, têm que ler livros, têm que saber compor, e por aí vai. Mas, pensando a fundo, não consigo imaginar nenhuma boa razão para todas essas obrigações. A impressão que dá é que todo mundo é obrigado a produzir obras-primas o tempo todo. Essa concepção não é apenas ditatorial — é também impossível.

Não deixo de pensar, no entanto, que para aqueles que de fato querem fazer fotos significativas — por opção, não imposição — que além de todo o estudo que realmente é necessário, é preciso utilizar o equipamento com racionalidade. Uma boa câmera compacta, ou uma reflex digital com a lente do kit (em geral 18-55mm), ou uma reflex analógica com uma lente de 50mm são mais do que suficientes para um fotógrafo inspirado, com boas ideias e disposição para procurar as melhores imagens. Até porque a “limitação” do equipamento ajuda no desenvolvimento de outras habilidades que são essenciais para a boa fotografia e não estão na operação da câmera (escolha do assunto, leitura da luz, ângulo, momento). Isto posto, posso até arriscar uma conclusão: se o seu prazer está na operação da câmera — e não há nada de errado nisso — você provavelmente está certo em ter o máximo de equipamento possível. No entanto, se a sua busca é por uma fotografia significativa no seu conteúdo, talvez seja uma boa ideia reduzir o equipamento ao mínimo possível.

Um comentário sobre “Câmeras e fogões

  1. Por incrível que pareça, conheço gente que comprou uma Nikon D7000 e só tira fotos no “auto”. Eu perguntei por que comprar uma camera tão cara e não usar nem 1% do que ela é capaz. Ele me respondeu que queria fotos melhores, mas não tinha muita paciência nem tempo para estudar. Acho que muita gente pensa que o equipamento melhor sempre vai tirar fotos melhores, o que não é verdade, então prefire investir dinheiro em equipamentos a investir tempo e dedicação em estudo. Mas enfim, cada um cada um…
    Parabéns pelo site, encontrei ele por acaso e gostei!
    Abraços!

  2. Eu fico pensando se é apenas “usar mais a câmera do que fazer fotos”. Pessoalmente, acho que é mais uma questão de status do que outra coisa. Colocar em uma assinatura uma lista de equipamentos que equivale a um carro te da um poder que não tens. Colocar uma foto feita com iPhone demonstra que a pessoa não é apenas um erpermatozóide grande cheio de cocô na barriga. Ou melhor, é tudo isso mas com uma coroa de lata na cabeça. Se por um lado eu também não vejo mal algum, ou melhor, não me influencia, por outro eu vejo uma semente para a desigualdade e opressão. Tudo uma questão de escala. É claro que existem os que necessitam(?) de equipamentos bons, fogões e outras geringonças de última geração. Um professor disse uma vez (sociologia, acho): “Só incomoda nos outros aqui que está em nós. O que não está não faz diferença.”. Então deve ser assim. Uma questão de influenciar ou não. Ainda estou levando a minha velha K10D com suas objetivas manuais. Não por ser melhor ou pior que alguém. Apenas não sinto necessidade.

  3. Luciano e Guaracy,

    Obrigado pelos comentários. Acontece de olharmos em volta e percebermos coisas que nos incomodam, que nos parecem incoerentes ou fúteis. Mas cada um está apenas procurando o melhor pra si mesmo, e é difícil julgar isso. Aí talvez caiba o lema “viva e deixe viver”.

    Abraços.

  4. Compartilho do pensamento acima. Tiro fotografia pelo simples prazer que ela me proporciona. Procuro inventar, quando edito as fotos, sinto imenso prazer no que faço e não me preocupo com as opiniões alheias. Gosto de utilizar uma camera digital Sony, antiga, que emperra, então tenho que vencê-la pelo cansaço (dela ou meu). É sempre uma surpresa a foto que revelo.

  5. Eu compartilho com a ideia de que o mais importante é o retorno que o fotógrafo tem. Evidentemente, quando se tem um determinado requisito técnico ter o equipamento adequado facilita e, às vezes, é o único caminho.

    Por outro lado, quando o requisito é no conteúdo exibido ou no retorno pessoal do fotógrafo o mais importante é ser feliz. Concordo com o texto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *